quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Ladrões

De sorrateiro que se chega, não se vê, não se sabe quantos, faz abrir o pranto de quem nunca viu.
De silêncio que se apresenta, sem mostrar o rosto, sem dizer o nome, era de maldade que tinha fome e o que pegou não pediu.
De correria foi embora, deixou pista de voltar outrora e o medo de dormir surgiu.

2 comentários:

Natali Rêgo disse...

??Xuxuuu, te assaltaram???
Espero q não!
Beijosssssssss

.Kel. disse...

ai céus.. essa mulher filosófica me dá nó na cabeça :) saudadessss gigantes!!! Chego em Rio grande dia 1ª de abril e volto dia 10!!!

Temos que programar um encontrinho :) beijosss